François Cheng poeta, calígrafo e romancista fez a sua obra a partir de elementos do Oriente e do Ocidente.Ele falou sobre a beleza na Federação Nacional dos mestres do Yoga na França. Membro da Academia Françesa, tradutor de Baudelaire e Rimbaud em chinês ele possui uma experiência e uma cultura única fruto da circulação entre e por dois mundos.DSC00557

Diz\ êle: Neste tempo de misérias onipresentes,  de violências cegas, de catastrofes naturais ou ecológicas, falar de beleza poderia parecer incongruente, inconveniente e mesmo provocador”.

Cheng situa sua meditação entre dois opostos: o mal e a beleza. Mas o que é o mal? Trata-se do mal que o homem inflinge ao próprio homem.

Em face do mal pergunta-se Cheng que significa a frase de Dostoievski: a beleza salvará o mundo?” O mal e a beleza, eis aí, dois desafios a afrontar.

Se estão nas antípodas um do outro, por vezes se imbricam. O mal pode transformar, mesmo  a beleza em instrumento de engano, de dominação ou morte. Há assim para Cheng uma verdadeira e uma falsa beleza que sabemos distinguir.

Para Cheng há uma razão mais íntima que o leva a tratar a questão da beleza e do mal. É que ainda criança ele foi balançado por estes dois fenômenos extremos na sua manifestação.

 Cheg e sua familia eram originários da província de Jiangxi, onde se encontra o monte Lu. Seus pais o levavam cada ano para um estadia cada ano. Montanha de uma cadeia que se eleva a mais de dois mil metros, o monte Lu domina de um lado o rio Yang-zi e do outro o lago Boyang.  Localizado numa posição excepcional este monte é considerado um dos mais belos lugares da China .Há quinze séculos é visitado por eremitas, poetas, pintores e religiosos.  Ocidentais o descobriram no fim do século XIX,  especialmente missionários protestantes que o vão visitar.. Constroem aiChalets e  cottages..Ele continua hoje a exercer seu poder de fascinação a despeito dos vestígios antigos e das residências modernas, cercado por montanhas cuja beleza original foi preservada.

O quadro que fiz  é uma variação a partir de G. K.

Tags: , , , ,