Arquivo por categoria Poesia

CANTO XXII DANTE DIVINA COMÉDIA

OPRIMIDO DE ESTUPOR DO LADO DE MEU GUIA
EU ME VIREI COMO CRIANÇA QUE SE VOLTA
ALI ONDE MAIS TEM CONFIANÇA

E ELA, COMO MÃE QUE SOCORRE
LOGO SEU FILHO PÁLIDO E SEM FÕLEGO
COM SUA VOZ QUE O RECONFORTA

ME DIZ; VOCẼ NÃO SABE ONDE ESTÁ O CÉU?
E NÃO SABE QUE O CÉU É SANTISSIMO
E O QUE AÍ FAZEMOS VEM DE UM BOM ZELO?

Tombeau de Edgar Allan Poe-Tel qu’en Lui même enfin l’éternité le change – Mallarmé- Quale en lui stesso alfine la eternitá lo muta

Quale in lui stesso alfine la eternitá lo muta
Il poeta risuscita con una spada nuda
Il secolo spaventato di non aver compreso
Che la morte parlava in quella voce strana!

Essi che in vile sussulto che a dito l ‘ angelo
Dare un senso piu puro alle parole della tribù,
Proclamarono altissimo il sortilegio bevutoela
Nel flutto senza honore di quelche nero miscuglio.

Del suolo e della nube hostile, o folle culpa!
Si nostra idea non fa un bassorilievo
Si la tomba di Poe abagliante si adorne

Calmo bloco caduto di un desastro oscuro
Questo granito almeno mostre sempre il confine
Ai neri della Bestemmia sparsi nel futuro.
Tradução de Massimo Grillandi.

Constantin Cavafy: As Termópilas

3005Honra por toda a vida aos que se deram como tarefa a defesa das Termópilas!Jamais afastando-se do dever, equitativos e justos em todas as coisas, mas também indulgentes e piedosos, generosos quando ricos, quando pobres generosos também na medida de seus recursos e socorrendo os outros tanto quanto podem, verdadeiros, mas sem ódio contra os que mentem.

E mais do que nunca dignos de louvor se se dão conta ( e eles o fazem por vezes) que Efialtes vai aparecer e que os medas vão levar a melhor.

tradução de Manoel Motta

a partir do françês de Marguerite Yourcenar.

Tags: