O UNIVERSO JOYCE

Como bem observou Lacan na leitura da obra de Joyce predomina o universitário.
Conversei em Barcelona com Jacques Aubert e depois em Roma a respeito da edição de Finnegans Wake.Ele achava o livro intraduzível. A respeito da tradução de Philippe Laverne considerava o autor maluquete . Achava possível um trabalho do tipo que foi feito para Ulissses com explicaçôes para as alusôes. O que levaria a condenar a tentativa de Donald schulle no. Brasil. A grande falha de Schulhe é que joyce introduziu no inglês 18 línguas
E ele se pôs a traduzir estas línguas. Um procedimento aceitável seria o de traduzir as inovações do inglês e manter as outras línguas.Há que ver que as homofônicas que dão outro significado em outras línguas desaparecem com tradução. As traduções de Augusto e Haroldo de. Campos, transcriações, 25 fragmentos ao todo são de outra natureza.Mas são um pequeno fragmento. A tentativa de André Bouchet para o primeiro capítulo de Finnegans parece melhor e mais poética do que a de lavergne. A edição dos notebooks e dos typscrips and profs feito pela editora Garland é um monumento único na história da edição.possuo 13 volumes dos typscrips.
É uma experiência única ver em seqüência o processo de produção da obra dos rabiscos de Bar até as revisões sucessivas do texto. Sobre Joyce há o gênero dicionário, isto é o conjunto de obras que listam o vocabulário grego e latino em Finnegans Wake, alemão. Norueguês , ou mesmo de todas as palavras do livro, inclusive os neologismos. Há também a lista das referências geográficas ,. Ou ainda mas com uma análise o estudo da relação da obra com Dante, WAgner, shakespeare. Para este há um estudo dopara Ulisses e outro para Finnegans. Na internet era possível trabalhar na decifração dos manuscritos dos notebooks. Quando fiz esta lista que interrompi, sem completar os títulos das obras sobre Finnegans não pensei que pudesse interessar a leitores.Mesmo incompleta e falha parece que interessou.Qualquer trabalho mesmo que mínimo toca o Outro social.É o que se vê com a internet.
ULYSSES

  1. Weldon Thornton – Allusion In Ulisses – The University Of North Caroline Press
  2. Ulisses Annotated – Don Gifford With Robert Seidman- University Of California Press
  3. Joyce’s Ulysses And The Assault Upon Character – Rutgers University Press
  4. Sheldon Brivic- Joyce Between Freud And Jung- National University Publication Kennikat Press
  5. Michael Groden Ulysses In Progress – Princepton University Press

FINNEGAS WAKE

  1. Atherton, James S. The book at the wake: a study of literary allusion in James Joyce´s Finnegans Wake`.New York; Viking, 1960.
  2. Beckett et all. Our exagmination round His Factification for Incamination of `Work in Progress`. Paris; Shakespeare and Company, 1929.
  3. Begnal, Michael, Narrator and character in `Finnegans Wake, lewinsburg, Pa.: Bucknell University Press, 1975
  4. Benstock, Bernard, joyce Again´s Wake; an analysis of Finnegans Wake. University of Washington Presss

  1. Bonheim, Helmut
  2. Brivic, Sheldon
  3. Budgen, Frank
  4. Cixous,Helene
  5. Ellmann,Richard
  6. Gilbert, Sutart
  7. Glasheen, Adaline
  8. Hart, Clive
  9. Hayman, David
  10. Kenner. Hugh
  11. Levin, Harry
  12. LITZ, A. walton
  13. McHUGH, Roland
  14. Magalaner
  15. Manganiello
  16. Mink, Louis O.
  17. – gênero dicionário -tema geografia. Há por exemplo as referências ao Brasil.

  18. Norris, Margot
  19. OHEIR, BRENDAN
  20. gênero dicionário .Linguas grego e latim. Editora:universitário of Califórnia Press

  21. POUND,Ezra
  22. READ, FORREST
  23. REYNOLDS
  24. SENN fritz
  25. SHECHNER
  26. SOLOMoN
  27. STEINBERG
  28. TINDALL, wilian York
  29. WILSON, EDMUND
  1. The Sigla In Finnegans Wake – Texas Press
  2. Geert Lernout – The French Joyce – The University Of Michigan Press