Arquivo para setembro de 2012

Trens paleolíticos são 65 . Porém 49 tem mais de cinquenta anos-sistema de trens do grande Rio é um dos mais velhos do mundo. São trens mais velhos que os da India.

Paris tem sistema ferroviário e metrô até o aeroporto. Possui um sistema de trens Muito effciente e o sistema RER que percorre  percursos maiores  com menos estações. E existe o ultrarápidos TGV articulado ao metro, com linhas para a provincia francesa, para Bruxelas, Londres, etc. Há linhas rápidas de metrô. Ainda que haja estações antigas o sistema conta com mais de 20 linhas enquanto o Rio possui apenas duas.
O sistema ferroviário que atende ao grande Rio tem 49 trens que estão mais do que ultrapassados. A renovação não corresponde a uma efetiva prioridade de modernização que se compare ao sistema japonês ou francês.
Mesmo a Copa e a Olímpiada não colocarão a cidade em um patamar significativo e muito longe da excelência do ponto de vista internacional a Copa do Mundo não contou com nenhuma  inovação no metro.Há obras avançadas na Linha que liga São Conrado a Barra. Mas em Ipanema o tatuzão ficou meses paralizado.Para a zona Norte e Oeste o Pezão Governador nada anuncia. Fala em ampliar o metro para a barra. A baixada fluminense é prioridade zero quanto a trens e metros. E o caos toma conta das vias dos carros de passeio e ônibus.

Atualmente a zona próxima da rodoviaria e boa parte do centro estão paralizados, desordenados. O sistema BRT não impede os engarrafamentos quilometricos e o tempo imenso que e perdido por milhões de citadinos.

Atrasos, superlotação, acidentes, desconforto são a experiência diária do povo do grande Rio que não vem no horizonte projetos consistentes de modernização.
As inaugurações recentes de composições que param pouco adiante são a prova.

Numa era de comunicação global simultanea nào há um sistema minimo de informação do tempo de circulação dos veiculos coletivos na cidade do Rio. O que se informa éa existência de engarrafamentos. A impresario crîtica, comenta.  Fala do Sunoco, das mas condições do transporte. Mas é muito menos enfática do que na sua crítica as condições da educação e da saúde.

Atualizei este texto em novembro de 2014.

Bernard Arnault, do grupo Vuitton -o luxo tem um lugar especial na economia francesa

O luxo tem um novo estatuto no mundo hipermoderno. É o que nos mostra Gilles Lipovetsky. Entre as grandes marcas está Vuitton do empresário Bernard Arnault.
Eke tem residências em Marrakesh, Paris, Nova York e na Cote d’Azur.