Arquivo para março de 2011

Em Araguaia evocação do Direito a enterrar os próprios mortos da guerrilha na época da ditadura .

È uma questão  que permanece viva enquanto os mortos dos chamados anos de chumbo não forem enterrado   Permanece viva, lancinante, insistindo.

È bom que uma novela trate da questão para o grande público saber de uma problema nacional que permanece. Mesmo que não seja o núcleo de toda estória é uma questão  de uma importância tal que não pode ser esquecida.

Engenheiros da Toshiba e Hitachi trabalham também para fazer funcionar os dispositivos de segurança da usina. Balançoo das perdas agora

A radiação no mar tem os índices de iodo e césio mais de 100% e 24% do que o normal no mar próximo aFukushima. Peixes e crustáceos serão talvez afetados por muito tempo na região. Há mais de 300 mil pessoas abrigadas fora de suas casas na região. Mais de 177 mil foam evacuados. Mais de 880 mil resisdências não dispunham de água. Cerca de 117 mil edficios foram danificados pelo terremoto e pela Tsunami. Cerca de 14 mil foram totalmente destruídos. Só em Myiage há cerca de 15 mil mortos.

Toshiba enviou 100 funcionários para trabalharem in locu para ajudar a resolver a crise dos reatores e Hitachi remeteu 120. Ambas as empresas criaram unidades de gestão da crise uma, de 700 funcionários -toshiba e a outra cerca de mil ( Hitachi).

O Japão deverá fazer enormes investimentos para a reconstrução o que deverá relançar a atividade econ^mica em crise.

Engenheiros nucleares no Brasil falam de riscos da energia nuclear subestimando as contingências do real

Na televisão enquanto cientistas como José Goldemberg falaram de forma inteligente e reflexiva sobre o problema engenheiros nucleares em programas para o grande público na televisão falavam dos riscos do  uso da energia nuclear de forma irrealista e acrítica. Ao lado uma vez de um brasileiro de origem japonesa que com a mulher retornou ao  Brasil e que descrevia de forma muito precisa as características da situação em Fukushima e no Japão.

Nos Estados Unidos o desastre de Three Miles Island foi ampliando até pela ação de pequenos animais na região.

No Japão pós-Tsunami cerca de 12.000 desaparecidos e mais de 9000 mortos já reconhecidos. Desesperança de encontrar a maioria

O balanço dos mortos se eleva a mais de 20 mil mortos provavelmente.

O mar próximo de Fukushima apresenta níveis de radiação bem maiores do que o normal. A água e certo tipo de legumes apresentam radiação. A venda do leite da região foi suspensa. Mais de 125 mil pessoas deslocadas da proximidade das usinas nucleares. A zona recomendada pelos Estados Unidos e pela França é maior do que a estabelecida pelo governo japonês.  Funcionários de toshiba e outras empresas produtoras de material para a indústria atômica trabalham na recuperação da usina.

Radiação no Japão presente nos alimentos

Em Tóquio a radiação esta presente na água e em legumes noticia Le Monde.

U.S.A. atacam defesa anti-áerea líbia

Depois dos ataques franceses a Líbia é atacada pelos U.S. A. A  O. N. U. decidira impor uma zona de exclusãoao ditador Líbio que afirmara se submeter mas violara o cessar fogo contra os rebeldes em Bengahazi.

O regime líbio do ponto de vista do poder militar não tem condições de se contrapor aos estados que se opõem a política líbia. A liga árabe apoia as ações contra o ditador líbio.

Tsunami e Terremoto: 88 OOO casas destruídas. AIEA advertira Japão que centrais nucleares não estavam preparas para terremoto acima de nível 7. Radiação pode tornar-se igual a de Tchernobyl

 Informações divulgadas por EakLikes dão conta da correspondência entre a Agência Internacional de Energia Atômica e as autoridades Japonesas. O Japão fora notificado de que o sistema de segurança de suas centrais era obsoleto e não estava preparado para resistir a sismos acima do nível 7 da Escala Richter.

Quase 90 mil casas foram destruídas . O número de mortos segundo fontes oficiais já é de mais de 5000 pessoas e o número de desaparecidos de mais de 8000. O número de mortos´previsto é de pelo menos dez mil.

Nível do acidente nuclear em Fukushima é de nível 6. Nova explosão em Fukushima

A situação dos reatores  é muito preocupante.

O Japão investindo na recuperação vai fazer avançar sua sociedade e economia, como já o fez antes.

Mas o que se      perdeu em vidas é imenso.

E mais ainda deparar-se com os  efeitos da energia atômica num país que sofreu dois bombardeios nucleares e que optou pelo pacifismo e pelo uso pacífico da energia nuclear é dificil.

Milhares de pessoas foram deslocados na região de Fukushima: mais  de 250 mil. São medidas que se vêem com consequências de guerra. Pequeáguas.nas cidades se tornaram ruinas como consequência da fúria e da força das

Nivel do acidente de Fukushima 5, maior do que o de Three Miles Island segundo autoridades nucleares francesas. Corrida contra o tempo para evitar que coração do reator seja atingido

Mais de dois mil mortos foram descobertos no nordeste do Japão na provincia de Sendai. A perspectiva é de haver cerca de 1o mil mortos segundo o Le Monde.

Não há risco de um Tchernobyl. Seguramente a indústria nuclear será severamente atingida em seus projetos de expansão.

Os japoneses organizado, produtivos fizeram frente a um terremoto de proporções apocalípticas. Mas o mar, as ondas gigantes produziram perdas humanas de uma escala inaudita.

È verdade que o fato das centrais nucleares terem sido atingidas mostra que o grau de previsão, de contrôle mostra suas falhas, o lado incontrolável da contingência.

DEPOIS DO TERREMOTO E TSUNAMI: CERCA DE 10.000 MORTOS E RISCO NUCLEAR. O JAPÃO ENFRENTA SEU MAIOR DESAFIO DESDE A GUERRA

O povo japonês que construiu uma das mais avançadas econonomias do mundo, cuja cultura apresenta um modelo diverso daquela do Ocidente depara-se com uma catástrofe para a qual as respostas da comunidade internacional ainda não se mostraram eficientes. Principalmente no que tange a Tsunamis. O Japão vive segundo o primeiro ministro Naoto Kan sua mais séria crise desde a Seunda Guerra Mundial.

A região onde se situa Sandai foi devastada numa escala em que se admite existirem milhares de mortos. E o Japão que conta com 50 centrais atômicas para produção de energia tem duas sob forte risco. Mais de 200 mil pessoas foram deslocadas.

O uso da energia nuclear para fins pacíficos em áreas de terremotos mostra agora de maneira forte seus riscos . È verdade que já faz tempo que Roberta Wolsthetter num trabalho pioneiro que as instalações nucleares constituiam um grande risco face a geuerras e conflitos mesmo convencionais.

A imprensa internacional afirma que o número de vítimas é muito maior do que se pensava. O Ashai Shimbum de Tóquio já dava conta da dimensão da tragédia.